quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

LEVANTAI, Ó PORTAS, AS VOSSAS CABEÇAS




LEVANTAI, Ó PORTAS, AS VOSSAS CABEÇAS
Uma explicação do Salmo 24:7-10

Pr. Robson T. Fernandes


Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó portais eternos, para que entre o Rei da Glória. Quem é o Rei da Glória? O SENHOR, forte e poderoso, o SENHOR, poderoso nas batalhas. Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó portais eternos, para que entre o Rei da Glória. Quem é esse Rei da Glória? O SENHOR dos Exércitos, ele é o Rei da Glória
Salmo 24:7-10

            Primeiramente este texto fala, profeticamente, da ascensão e entrada de Cristo no céu após a Sua vitória sobre a morte e o pecado. Também, é um texto profético sobre a chegada do Reino de Cristo.
            Historicamente, os sábios, nobres, juízes, anciões e principais de uma cidade se reuniam na porta desta cidade, a exemplo de Ló (Gn 19:1,9), Jó (Jó 29:7-10) e de acordo com a afirmação de Lemuel (Pv 31:23). Portanto, o local onde os principias da cidade se reuniam era chamado de “portas”.
Levantar é um ato de respeito. Por isso, a frase “levantai, ó portas” é uma convocação para que todos os que estão nas portas se levantem em sinal de reverência devido a chegada do Juiz dos juízes, Rei dos reis e Senhor dos senhores.
            Portanto, quando o texto afirma “Levantai, ó portas, as vossas cabeças”, está conclamando todos os líderes, cabeças, a se colocarem de pé para adorar e reverenciar Aquele que está chegando.
            Jesus é este Rei da glória (Ap 4). Ele venceu a morte, o pecado e os principados e potestades. Por isso Ele é “forte e poderoso, o SENHOR, poderoso nas batalhas [...] O SENHOR dos Exércitos, ele é o Rei da Glória”.
No comentário Beacon (2009, p.155) encontramos a seguinte declaração:

A crescente procissão de adoradores alcançou agora as portas. Existe uma pausa. Então o clamor soa: Levantai, ó portas, as vossas cabeças (7). A cabeça, com frequência, é usada nas Escrituras com referência ao “ser interior”, como em 7.16: “A sua obra cairá sobre a sua cabeça”. As portas são personificadas e roga-se a elas que se abram em dignidade e reverência para a entrada do Rei da Glória. A expressão ó portas eternas é melhor traduzida por: “ó portas antigas” (NVI). O Rei da Glória é o Rei a quem toda a glória deveria ser atribuída.
O chamado é seguido de um desafio das portas: Quem é este Rei da Glória? (8). A resposta é: O SENHOR forte e poderoso, o SENHOR poderoso na guerra. Deus é mais forte do que qualquer inimigo que possa se levantar contra ele. Novamente, o chamado é repetido com grande efeito retórico (9). O segundo desafio é respondido com as palavras: O SENHOR dos Exércitos; ele é o Rei da Glória (10). Esta é a primeira ocorrência nos Salmos do conhecido e belo título para o verdadeiro Deus. Ele é o SENHOR dos Exércitos (Yahweh Tsebaoth), Capitão tanto dos exércitos de Israel como de todos os exércitos celestiais, o supremo Governador do universo[1].

            A expressão “ó portais eternos” pode ser traduzido como “portas antigas”. Então, historicamente, pode se referir a todos os reis, líderes, juízes e principais de todas as épocas. Profeticamente, pode se referir à entrada de Cristo no céu, após a Sua ascensão, e também à volta de Cristo. Em todos os casos é exigida reverência diante do Rei da glória, Jesus Cristo.

            Por isso, “Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó portais eternos”, pois estamos na presença do Senhor Deus.





[1] CHAPMAN, Milo; PURKISER, W. T.; WOLF, E. C.; HARPER, A. F. Comentário Bíblico BEACON. Rio de Janeiro: CPAD, 2009. p.155

1 comentários:

Postar um comentário

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More